O IMPEDIMENTO VENCEU; O GOLPE FOI DERROTADO

Não há reversibilidade possível no processo de afastamento da presidente Dilma Rousseff. O atual Supremo Tribunal Federal não tem coesão para tanto ousar, declarando inconstitucional a decisão iniciada pela Câmara dos Deputados e completada pelo Senado Federal. Os fundamentos da acusação à presidente são precários, a sentença é notoriamente desproporcional, mas a convergência de conspirações entre agentes econômicos, maiorias parlamentares conservadoras, ressentimentos de ricos e remediados, com a liga propiciada pelo oligopólio dos meios de comunicação, historicamente antidemocráticos, alcançou eficácia inédita na contra-história golpista brasileira. Em vão a tonelada de argumentos e evidências da insustentabilidade de processos em que maioria decide que 2 e 2 são 5 porque ela assim quer. O impedimento se deu porque a maioria assim o quis. Qualquer objeção jurídica ou lógica à decisão é pura perda de tempo.


Por isso o golpe fracassou. As sucessivas ilegalidades da força-tarefa da Lava-Jato, com prisões injustificadas, humilhações de investigados, difamações, tortura psicológica de presos, vazamentos operados com oportunismo, incansável repetição de incriminação e degradação de investigados ou mesmo réus em curso de julgamento, linguagem virulenta de procuradores, policiais federais e Procurador-Geral da República, cultivando hostilidade e ódio na opinião pública e, finalmente, o apelo dos homiziados de Curitiba aos movimentos sociais conservadores e mídia golpista para continuado apoio, esquecendo as instâncias judiciárias e de outros poderes a que estão subordinados, substituiu a indumentária de cavaleiros pelo restabelecimento da moralidade pelo descarado uso da força bruta, e só ela, contida nas leis. Não há salvação: Michel Temer é um usurpador e seu governo não deve ser obedecido.


Não deve e não o será. O golpe fracassou socialmente e o usurpador só governará mediante violência física, repressão sem disfarce. Ou a sublevação social pela democracia é submetida pela força (e aí o golpe, finalmente, será vitorioso), ou a coerção servirá de combustível à sublevação. Então, de duas uma: ou Michel Temer renuncia e o STF convoca novas eleições ou as forças armadas intervirão.

Compartilhe e Curta
RSS
Siga via E-mail
Facebook0
Google+
http://insightnet.com.br/segundaopiniao/?p=341
Twitter

5 comentários sobre “O IMPEDIMENTO VENCEU; O GOLPE FOI DERROTADO

  1. As forças armadas teriam que intervir contra os golpistas que estão atentando contra o Estado. Acontecendo isto teríamos uma ditadura pois o país está dividido. E aí?

  2. Como assim (em conversa afiada): “Resta a resistência não apenas passiva, mas ativa, em busca da derrubada desses usurpadores por todos os meios possíveis, legais e ilegais, à exceção da violência armada.”
    Estaria o senhor pregando meios ILEGAIS para sabotar o Presidente Temer?
    att
    Luiz Henrique

  3. Parabéns por sua análise que vê duas coisas em tempos distintos: golpe e impeachment. Também vejo o governo Temer como fadado a um miserável fracasso. Mas terá sido exitoso para seus patronos se levar até o fim o intento: ganhar 2018 (se houver) por WO, por ausência de concorrência, o que significa atropelar ainda um sapo barbudo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *