Vem pro ciclo você também

Com excelentes indicadores de desemprego (em alta), juros (idem) e atividade econômica (em baixa) a alegria dos algoritmos governamentais não poderia ser mais vibrante. Finalmente surgiram os sintomas de saudável recessão, prelúdio insofismável de futuro crescimento econômico com contas públicas em que a coluna do “deve” se apresentará igual à coluna do “haver”. Claro, o governo será um dos raros agentes econômicos em que tal coincidência ocorrerá, ao custo fixo de que a maioria da população se angustie no vermelho, com o “deve” muitas vezes superior ao “haver”. Não se sabe por quanto tempo há de durar o êxtase dos contabilistas. Há teorias sobre o ciclo econômico para todo gosto, além das clássicas de Clement Juglar, de Simon Kuznets e de Nikolai Kondratieff. O tópico, naturalmente, criou uma profissão, tanto mais bem remunerada quanto mais longo for o período de morbidez social. Mas é inevitável a retomada do dinamismo dos negócios, dos investimentos, da criação de emprego e de aumentos salariais em algum momento futuro. Os algoritmos ministeriais soltarão foguetes, como é costume pelo mundo a fora, anunciando que o renascimento resulta da política paralisante que patrocinaram. Balela. Os sinais de vida têm raiz na letargia reinante e ninguém sabe por que cargas d’água eles aparecem. Tudo o que se pode dizer, e em resumo era o que Juglar imaginava, é que há um despertar simplesmente porque havia letargia, esta sim encomendada pelos algoritmos. Granítico exemplo de um mal personalizado corrigido por um bem coletivo.

Compartilhe e Curta
RSS
Siga via E-mail
Facebook0
Google+
http://insightnet.com.br/segundaopiniao/?p=102&share=facebook
Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *